30 de set de 2012

Manual do Jovem Orientista - Dica nr 28

Dica no 28: Aprenda os símbolos do cartão de descrição.

Além dos símbolos do mapa, existem os símbolos do cartão de descrição, também chamado de sinalética, que fornecem informação sobre o objeto do ponto de controle e o posicionamento do prisma em relação a este objeto. Com esta informação, podemos abordar melhor o ponto de controle, achando com mais facilidade o prisma, sabendo o que e onde procurar. Esta informação pode interferir inclusive na escolha final da rota, como a decisão de atacar o ponto por um lado ou outro.

O cartão de descrição para cada percurso pode estar na frente ou no verso do mapa, mas a maneira mais fácil de consultá-lo é preso ao braço, com um porta-cartão. Com o porta-cartão no braço não precisamos desdobrar o mapa para conferir o código e descrição de cada ponto, e isto facilita bastante o manuseio. Os destros geralmente usam o porta-cartão no braço esquerdo, pelo simples motivo de ter mais facilidade de colocar e manusear com a mão direita. Podemos comprar o porta-cartão em alguns eventos ou pela Internet.


Na área de partida a organização disponibiliza cópias da descrição para cada categoria, geralmente antes de pegarmos o mapa. É responsabilidade de cada orientista conferir se o cartão que está pegando é o correto para seu percurso, o mesmo acontecendo com o mapa. É importante conferir se mapa e cartão de descrição estão corretos na hora da partida. Ocorreram vários casos de competidores que pegaram cartão ou mapa errado. 

A exemplo dos símbolos do mapa, aprendemos todos os símbolos do cartão de descrição com o decorrer do tempo, mas inicialmente é necessário conhecer pelo menos os mais comuns. Na página inicial do  Manual do Jovem Orientista você encontra a versão  com todos os símbolos previstos pela IOF. Nela aparecem as informações sobre a utilização correta de cada símbolo, descrevendo em que tipo de objeto e de que modo cada símbolo pode ser aplicado, inclusive com exemplos ilustrados.


Ir ao ÍNDICE

7 de set de 2012

Manual do Jovem Orientista - Dica nr 27

Dica nº 27: Não perca contato com o mapa.

Não é possível nos perdermos com um mapa na mão, exceto se sairmos do mapa, literalmente falando. É comum ocorrer do novato perder o contato com o mapa, ao seguir por um determinado tempo sem verificar as referências na rota prevista, e o que deve fazer nessa situação é relocalizar sua posição no mapa.



Tão logo o terreno pareça não bater com o mapa, é importante ficar alerta, reduzindo a velocidade. Se isto acontecer, pare e admita que você não sabe onde está. Oriente o mapa com a bússola. Olhe 360° procurando por acidentes distintos. Tente se relocalizar pelos acidentes que vê, identificando-os no mapa. Uma trilha com junções ou curvas distintas pode ser útil para identificar o local no mapa. Relembre a última posição conhecida (processo de eliminação: se passei por tal acidente, devo estar em certo trecho). Siga para a referência mais próxima ou volte à ultima posição conhecida. Algumas vezes perdemos menos tempo quando voltamos logo à posição conhecida, ou seguindo até um acidente nítido, em vez de tentarmos nos relocalizar por tentativa aleatória. 

Quando acontece de estar na proximidade do ponto de controle e encontrar um prisma com outro código, primeiro tente identificá-lo pela sua característica; se continuar em dúvida, a solução é esperar um orientista de outra categoria que tenha aquele ponto e pedir para que mostre no mapa dele onde está o ponto. Daí olhe onde está o ponto em seu mapa, veja a direção correta e siga para o seu ponto. 

Gostaria de lembrar também o que não se deve fazer: não adianta pedir ajuda aos moradores da redondeza, pois geralmente eles não sabem nada sobre orientação e não têm informações sobre os pontos de controle. Não adianta subir numa árvore para tentar visualizar alguma referência marcante, este procedimento raramente ajuda. Mesmo quando sair do mapa, o correto é pegar a direção de retorno para o mapa até encontrar as vias principais ou características marcantes para retomar a navegação. 

No caso de não conseguir se relocalizar no mapa, a alternativa é seguir o azimute de segurança, que é a direção a seguir que leva o participante de novo a una zona povoada ou estrada principal no caso de estar perdido. Essa informação é importante ser passada aos principiantes, para que consigam voltar ao local do evento caso necessário. Mesmo depois de se relocalizar, mas tiver passado mais de uma hora fora da rota e o tempo total passar de duas horas, é melhor seguir direto para a chegada.

Ir ao ÍNDICE

2 de set de 2012

Manual do Jovem Orientista: Dica nr 26

 Dica no 26: Use sempre um relógio.
 
O uso de relógio é importante para a segurança do orientista, além de ser útil para conferirmos nosso desempenho nos treinamentos. O básico é termos um relógio com cronômetro e que seja à prova d’água, pois é muito comum fazermos percurso com chuva. Depois desse tipo básico, o melhor é um com cronômetro com memória, podendo gravar 50 ou 100 tempos, para marcarmos os tempos a cada ponto de controle, principalmente nos treinamentos e competições sem apuração eletrônica. O registro de tempo ponto a ponto permite uma boa análise do percurso, considerando como fomos em cada trecho. Os modelos ideais são os relógios com marcação dos batimentos cardíacos, além de memória para resgatar os tempos e batimentos, com interface para passar os dados direto para um computador. O controle da frequência cardíaca é importante para os atletas de elite, para um treinamento mais adequado, mas pode ser útil para outros atletas experientes que valorizam um treinamento programado e eficiente.



Para os iniciantes, uma função importante do relógio é informar a hora que devem ir para a chegada, depois de passar muito tempo na área, mesmo sem ter completado o percurso. Os responsáveis ficam preocupados quando os iniciantes demoram muito a chegar, por isso costumam marcar um horário limite para retornar do percurso. 


Quando temos dificuldades num treinamento ou competição, pode ocorrer de perdermos muito tempo em alguns pontos, isto é muito comum com alguns novatos. Pode acontecer de errar na navegação e perder muito tempo para se relocalizar. Se o tempo total começar a passar de duas horas, o treinamento deixa de ser produtivo. Mesmo que seja em competição, passa a ser muito desgastante e pouco proveitoso após a segunda hora. A única exceção pode ser no caso do limite para concluir o percurso ser de até três horas e houver a possibilidade de somar tempo para uma equipe. Mas no caso de passar de duas horas, geralmente é melhor deixar de lado os últimos pontos e ir direto para a chegada, onde as pessoas que os acompanham já começam a ficar preocupadas devido à demora. Fazendo assim há melhores chances de fazer melhor nos próximos percursos, sem se desgastar além do necessário.


Na condição de estar no meio da floresta, é melhor pegar o azimute de fuga, isto é, sair de onde estiver na direção geral para uma estrada principal ou cerca de limite da área, a partir da qual podemos chegar facilmente à área de chegada. Por causa do cansaço físico, é melhor buscar uma navegação fácil até a chegada, mesmo que aparentemente seja uma rota mais longa.



Podemos aprender com nossos erros, mas é melhor aprender acertando, por isso não é bom insistir por muito tempo depois de um erro grande. Nos treinamentos às vezes é melhor desistir de um ponto difícil de encontrar e passar para os pontos seguintes, analisando depois com os colegas o motivo do erro. Os erros em que se perde tempo demais não são bons para o aprendizado.



Muitas vezes o novato não conhece ainda a técnica mais adequada para um determinado tipo de ponto de controle, fica mais difícil aprender sozinho, e somente pela conversa com o técnico ou colega mais experiente é que ele vai saber qual seria a atitude mais adequada na situação em que errou.


Ir ao ÍNDICE

Veja no ORIENTOVAR: palavras do novo presidente da IOF

BRIAN PORTEOUS: "PRECISAMOS DE TRABALHAR A SÉRIO E TAMBÉM PRECISAMOS DE UM POUCO DE SORTE"




Chama-se Brian Porteous, é escocês e acaba de ser eleito para a Presidência da Federação Internacional de Orientação no próximo biénio. Lenka Klimplova entrevistou-o para a Revista da Federação Checa e disso deu nota o World of O, no passado dia 16 de Agosto, em artigo que pode ser lido em http://news.worldofo.com/2012/08/16/we-need-luck-–-and-hard-work/. E que, pelo seu interesse, com a devida vénia aqui se reproduz.
 
Veja o restante da entrevista com as perspectivas para os próximos anos na orientação internacional.

18 de ago de 2012

Entrevista com Sérgio Gonçalves Brito

Veja no blogue Orientovar:

 

SÉRGIO BRITO: "ENSINAR É TUDO DE BOM!"




Sérgio Gonçalves Brito é, reconhecidamente, um dos maiores nomes da Orientação brasileira e um dos pioneiros da modalidade nesse enorme País. Ao Orientovar fala com emoção da forma como vive e sente a nossa modalidade.

14 de ago de 2012

Manual do Jovem Orientista - Dica nr 47

 Dica no 47: A Regra de Ouro de Orientação


A Regra de Ouro de Orientação, conforme artigo de Magnus Davidson, engloba vários aspectos já comentados e outros mais que vêm adiante. 

Todo mundo gostaria de ser um campeão. Mas o que é que faz um campeão ser um campeão? Eles ganham o tempo todo! Qualquer orientista pode ter uma boa corrida e vencer de vez em quando, mas campeões fazem isso o tempo todo.

“Caras de sorte!” Ah, mas isso não é sorte. "Então, qual é o segredo?" 

Bem, alguém já perguntou a Nikki Lauda, piloto de Fórmula 1: "O que é que faz um campeão ser um campeão?" Ele respondeu: "A capacidade de ganhar indo tão devagar quanto possível". 

“Mas isso é estúpido! Campeões são os que supostamente vão mais rápido!” Rápido sim, mas apenas rápido o suficiente para bater todos os outros. Puxando no limite corremos sempre o risco de correr acima do limite, de modo que as coisas dão errado. As coisas não dão errado para os campeões. 

“Bem, isso é tudo muito bom para o senhor Lauda, mas como tudo isso se relaciona com a orientação?” Bem, talvez devêssemos ouvir o que um campeão do mundo de orientação tem a dizer sobre o assunto. Oyvin Thon certa vez escreveu: "Cada orientista, num certo nível, pode encontrar o seu caminho através de um percurso sem cometer erros. Mas o problema é saber o quão rápido você tem que correr para vencer a corrida. Se você for rápido demais, você vai cometer erros. É muito difícil equilibrar a velocidade de corrida sem cometer erros". 

“Então você está dizendo que qualquer orientista mediano pode fazer um percurso sem cometer erros, se ele for devagar o suficiente?” É isso mesmo. “E quanto mais rápido for, maior o risco de cometer erros?” Exatamente. Para competir, você tem que ir rápido. O truque é encontrar a velocidade ideal, que está logo abaixo da velocidade em que você começa a cometer erros.

“Legal, mas a velocidade ideal do Sr. Campeão Mundial é muito mais rápida do que a minha! Como é que ele encontrou a sua velocidade ideal? Como posso encontrar minha velocidade ideal?” Ah, mas há uma simples regra de ouro ... 
Somente correr tão rápido quanto você pode ler o mapa.

“Isto soa bastante razoável, mas o que ‘ler o mapa’ realmente significa?” Bem, significa um monte de coisas. As três mais importantes são: ser capaz de relacionar os símbolos do mapa ao terreno rapidamente; decidir a quantidade de informação que você precisa para tirar do mapa para navegar de forma eficaz, e ser capaz de ler o mapa correndo.

Não estou pedindo muito, estou? A leitura do mapa é a habilidade básica da orientação. Todos os componentes acima podem ser melhorados através do treinamento. Se o fizer, irá aumentar sua velocidade de leitura do mapa e, assim, melhorar a sua velocidade ideal e sua orientação.

“Então, quão rápido eu preciso ler o mapa?” Bem, você precisa ler o mapa de forma que, em qualquer ponto do percurso, você saiba onde você está e saiba onde você está indo. 

“Bem, o primeiro é bastante óbvio - se não soubesse onde estava, eu estaria perdido!” Exatamente. Manter-se em contato com o mapa é muito importante. É onde se aplicam todas as habilidades de navegação que você já ouviu falar. Coisas como uso da bússola, a contagem de passos, e interpretação do relevo. Estas são habilidades que só podem ser aprendidas através da prática na floresta. Mas há vários livros e manuais de treinamento que descrevem as várias habilidades e como melhorá-los.

“Então, sobre saber onde você está indo, seria a escolha de rota?”
Bom, em parte. Você deve fazer a leitura do mapa à frente de onde você está. Isso ajuda a evitar perda de tempo nos pontos de controle, quando você sabe onde você está indo imediatamente após picotar. Ele também dá um alerta antecipado de objetos como encostas íngremes ou áreas complexas, que exigem esforços extras físicos ou mentais. Você pode, então, preparar-se antes de encontrá-los.

“Espera aí! Estou tentando encontrar meu caminho em uma perna, e você quer que eu olhe para todo o percurso!”
Não. Eu não estou sugerindo de você sobrecarregar-se com a leitura do mapa. Alguns orientistas podem gostar de planejar o percurso inteiro de uma só vez. Mas planejar uma de escolha rota básica para a próxima etapa provavelmente é suficiente. 

“Então, como posso praticar escolha de rota?”
A boa notícia aqui é que você pode fazer bem no conforto de sua poltrona favorita. Além de alguns livros sobre o assunto, é muito útil olhar os mapas de percursos anteriores e se perguntar "o que aconteceria se eu tivesse ido dessa maneira?".

“Isto pode parecer fácil. Mas eu não posso ser orientista na minha poltrona!” Claro que fazer escolhas de rota na corrida é uma questão bem diferente. Mas obtenha informações sobre a forma como você está fazendo, conversando com os outros sobre seus percursos e comparando tempos parciais.
Então é preciso fazer leitura do mapa à frente e praticar escolha de rota. E ler as descrições dos pontos de controle. 

“Ah! Eu sempre faço isso.” Bom para você. É incrível como muitas pessoas não o fazem. Pelo menos, não até que eles chegam ao ponto de controle.

“O que há de errado com isso?” Você ficaria surpreso quanto tempo pode ser perdido por não saber exatamente para onde ir quando você chega ao local do ponto de controle. Os segundos desperdiçados em hesitar, ou fazer coisas como correr para o topo de uma colina quando o prisma está na parte inferior, pode adicionar até alguns minutos para um percurso com 20 pontos de controle.

“Mas como posso encontrar a minha velocidade ideal?”
Bem, você deve começar indo mais devagar. 

“Mais devagar? Você está louco?” Não, eu estou falando sério. Diminua a velocidade e pratique suas habilidades de leitura de mapa até que você complete os percursos sem cometer erros graves. Se você cometer erros nos percursos, você estará treinando a si mesmo para cometer erros. Se você não comete erros, você estará treinando para não cometer erros. Tente desenvolver um ritmo de bater nos pontos de controle de primeira vez. Depois, aos poucos, acelere. Se você começar a cometer erros, então desacelere, trabalhe para melhorar a leitura de mapas, e tente acelerar novamente.

“Suponha que eu possa correr à toda velocidade e não cometer erros.” Então você tem muita sorte mesmo! Obviamente, você precisa melhorar sua velocidade de corrida através de treinamento físico. Mas não se esqueça de também trabalhar em sua leitura do mapa, caso contrário, você poderia começar a correr além de sua velocidade ideal.

“Eu acho que peguei a ideia agora. É um pouco complicado, no entanto.” Não precisa ser, basta lembrar a Regra de Ouro - só ir tão rápido quanto você pode ler o mapa. Sua velocidade ideal vai variar de mapa para mapa, de uma perna para outra, e até na mesma perna. 

Lembre-se dos 'semáforos': 


Verde: você pode ir mais rápido no início de uma perna, porque você só precisa ler uma pequena quantidade de informação a partir do mapa para navegação rudimentar. 



Amarelo: perto do ponto, você tem que ler muito mais informação e tem de desacelerar. 



Vermelho: do ponto de ataque para o ponto de controle, a corrida será muito mais lenta, andando se preciso for, e usando as técnicas mais adequadas. 


Tudo se resume a apenas ir tão rápido quanto você pode ler o mapa.

Ir ao ÍNDICE

Manual do Jovem Orientista - Dica nr 25

Dica no 25: Beba bastante água antes, durante e depois da atividade física.
Água é o principal elemento de nosso corpo, sendo indispensável sua reposição após a atividade física. Mesmo em clima frio, os organizadores de eventos são obrigados a colocar postos de água no meio do percurso. Se o tempo estimado para o primeiro colocado é de mais de 45 minutos, serão colocados pontos de água a cada 20 minutos da velocidade calculada para o vencedor. Em condições climáticas desfavoráveis, poderá ser oferecida uma solução isotônica. No ponto de água, será oferecida água pura na temperatura satisfatória como refresco. Todo refresco, diferente de água pura, terá que ser identificado claramente.  Os pontos de água  poderão ser colocados nos pontos de controle ou  nas prováveis rotas, e devem estar precisamente locados no mapa. 

Já ocorreu em um evento que o organizador não quis colocar posto d’água porque tinha conseguido aqueles copos plásticos fechados e queria evitar que os orientistas levassem os copos para a floresta. A solução nestes casos é simples: deixar os copos fechados na chegada e colocar nos postos d’água galões e copos descartáveis comuns, com uma pessoa da organização enchendo os copos e cuidando da reposição da água do galão quando necessário. Com os copos comuns, os orientistas vão tomar a água no mesmo local, ficando fácil o recolhimento dos copos que ficarem pelo chão. Se a organização dispõe apenas dos copos d’água fechados, pode ainda colocar uma pessoa abrindo os copos e colocando-os sobre uma mesa, para os orientistas tomarem água ali, sem levar os copos adiante. 

Após a atividade é importante bebermos bastante água para repor nossa perda líquida, que pode chegar a um litro a cada hora de corrida, até mesmo em clima frio. Em treinamentos longos, é importante levar água para tomar durante a atividade, repondo parte da perda líquida. Ao fazer trabalho intervalado na pista de atletismo, ou nas áreas de orientação, é interessante levar uma garrafa com água para beber nos intervalos, principalmente quando a quantidade de tiros é maior que dez e o intervalo é curto. Bebendo água, a sensação de cansaço é amenizada e temos mais disposição para realizarmos uma maior quantidade de tiros. 


Beber bastante água pode evitar problemas renais sérios, de uma maneira bem simples e com baixo custo. O uso de isotônicos e repositores energéticos durante e logo depois da atividade podem auxiliar na reposição hídrica e mineral, mas não dispensam o consumo de água no restante do dia. Após uma atividade de longa duração devemos beber água suficiente para repor as perdas até o final do dia.

Ir ao ÍNDICE

26 de jul de 2012

WOC-2012


 Aconteceu de 14 a 21/07 o Campeonato Mundial de Orientação na cidade de Lausanne na Suíça -WOC-2012
O Brasil  participou da competição com os seguintes atletas: 
Mirian Pasturiza - MB-ADAAN
Tânia Carvalho - ADAAN
Fábio Kuczkoski - MB-ADAAN
Robson Rengifo - MB-ADAAN
Ronaldo Almeida - MB-Elite CO
Leandro Pasturiza - EB-COSAM
Douglas Nascimento - MB-ADAAN


Vejam os comentários no Blogue da Equipe de Orientação da Marinha e no Blogue Brazil-O-Life.


Vejam os mapas com GPS-Tracking a partir dos endereços indicados neste link.

Vejam os resultados neste link.

22 de jul de 2012

Manual do Jovem Orientista - Dica nr 24

Dica no 24: Siga a rotina do atleta em todos os eventos.


Ao participarmos de eventos, é importante seguirmos sempre uma rotina básica, como a sugerida nas Regras da CBO (Anexo C). Além daqueles passos, é bom termos a nossa própria rotina nas competições, verificando nosso horário de partida e trocando de roupa com boa antecedência. É importante verificarmos antes de ir para a partida se estamos com todos os equipamentos necessários: calçado adequado, meias, caneleiras, roupa completa, número de corrida, boné ou bandana, porta-cartão de descrição, relógio e bússola. Observe se o cadarço do calçado está com um nó extra ou preso com esparadrapo, para não desamarrar durante o percurso. A perda de tempo para amarrar o calçado pode custar alguma posição ao final da competição. Esta é a verificação que fazemos quando estamos nos arrumando, cuja rotina ainda inclui passar filtro solar e tomar água antes de ir para a área de partida. Antes de sair é interessante verificar se todos os equipamentos previstos para aquele dia estão em ordem, revendo mentalmente os itens comuns nas competições, para não ser necessário voltar ao perceber que faltou algum item quando chegar ao local de partida. Alongamento e aquecimento, iniciando cerca de meia hora antes da partida, também devem ser incluídos em nossa rotina.

A concentração para o percurso começa com a rotina de preparação pessoal. Os atrasos podem atrapalhar nossa concentração, por isso temos que programar nossa chegada ao local do evento com boa antecedência. Quando chegamos à área de partida, podemos observar a sequência de ações previstas e verificar a direção geral a seguir após a liberação.

Ao entrar na área da partida a concentração volta-se para o início do percurso. É importante ajustar a sinalética no braço, verificando se a categoria está correta e observando os símbolos dos primeiros pontos, memorizando o código do primeiro ponto de controle. Se estivermos com relógio, colocamos no cronômetro, para disparar na liberação da partida. Antes de pegar o mapa olhamos a posição do norte pela bússola, observando a direção da saída. Se houver um mapa da área, observamos as características gerais primeiro, depois identificamos o local de partida e possíveis rotas iniciais. Ao pegar o mapa e ser liberada a partida, confirmamos se estamos com o mapa correto e saímos em ritmo médio, ocupados inicialmente em dobrar o mapa do triângulo de partida para o primeiro ponto. Analisamos a opção de rota, e então podemos acelerar para o percurso.

Com tempo adequado, toda essa preparação pode ser feita com “calma e elegância”, e iniciamos o percurso com as condições ideais para o sucesso.

ANEXO C
ROTINA DO ATLETA
Regra 22 - Em todas as provas oficiais da CBO os atletas devem seguir a seguinte rotina e anexo "A1":
1. Ao chegar no local da prova o atleta deverá consultar a lista de partida, que estará colocada próxima à seta de orientação;
2. Seguir a direção da seta da partida;
3. O relógio da área 1 da partida estará três minutos adiantados do horário da competição;
4. Quando o relógio da partida, que pode ser manual (*), der o sinal do seu minuto de partida, o atleta deverá entrar na área 1, do anexo "A1", e apanhar o seu cartão de controle ou limpar e checar o cartão eletrônico. (*) – O relógio manual pode ser um placar de 4 algarismos, funcionando três minutos adiantados, e o sinal pode ser um silvo de apito;
5. No próximo sinal entra na área 2 e apanha o cartão de descrição;
6. No próximo sinal entra na área 3 e identifica a sua categoria no verso do mapa, não sendo permitido estudar o traçado do percurso;(Nova Regra)
7. No próximo sinal, o mapa está liberado para o atleta que deve inserir o cartão eletrônico na base de partida e o seu tempo estará contando;
8. O atleta seguirá obrigatoriamente o itinerário balizado até o triângulo de partida, onde iniciará sua navegação;
9. O atleta deverá marcar todos os pontos em um cartão de controle, conforme modelo padrão da IOF, adotado pela CBO;
10. Após passar pela faixa de chegada o atleta deverá apanhar seu número de ordem de chegada, que será fixado no cartão de controle, e entregar o mapa e o cartão de controle no final do funil;
11. Após passar pela faixa de chegada, o atleta deverá apanhar seu número de ordem de chegada, que será fixado no cartão de controle, e entregar o mapa e o cartão de controle/chip eletrônico no final do funil; sendo sua responsabilidade reportar-se à equipe de chegada/apuração também em situação anormal: não ter completado o percurso, ter desistido, ter se machucado, etc. (Nova Regra)
12. Aguardará o seu tempo aparecer no placar, sem perturbar a apuração.


17 de jun de 2012

MWOC CISM 2012


 

 

 
Aconteceu de 8 a 14 de junho em Aalborg, Dinamarca, o 45º Campeonato Mundial Militar de Orientação.
  •  A competição de distância média foi com dia chuvoso em North Jutland. Depois de fazer ótimos resultados no Campeonato Europeu, o russo Valentin Novikov  venceu a prova masculina, fazendo dobradinha com seu irmão Leonid.  Na prova feminina venceu Sandra Pauzaite, da Lituânia, aproveitando a ausência das atletas russas que brilharam no EOC, mas que não foram este ano ao WMOC.

    • A competição de distância longa foi sem chuva, e  Valentin Novikov levou sua segunda medalha de ouro. Na prova feminina ganhou Aija Skrastina , da Latvia, ajudando sua equipe a vencer a competição de equipe.

  • Na prova de revezamento masculino os suíços voltaram a ganhar, com Fabian Hertner vencendo o russo Leonid Novikov na última perna. No revezamento feminino as polonesas venceram as equipes favoritas, da Latvia e Lituânia, a partir da segunda perna. 
  • A equipe brasileira masculina foi a 13ª colocada entre os 25 países participantes, e Leandro Pasturiza foi o melhor colocado nos percursos médio e longo. A equipe feminina foi a 7ª colocada, com Tânia Carvalho fazendo os melhores tempos.

  •  Veja os resultados e fotos na página do evento.

Manual do Jovem Orientista - Dica nr. 23

Dica no 23: Use um calçado mais adequado para a orientação.


Para o treinamento de corrida devemos usar sempre tênis de boa qualidade, leve e com bom sistema de amortecimento de impacto. É interessante ter cerca de três pares de tênis para o treinamento de corrida, alternando a cada treinamento, ou escolhendo o melhor conforme a distância e tipo de atividade.


Para a orientação, além do amortecimento de impacto, um fator importante no calçado é a aderência em terreno inclinado, com grama ou folhagem solta, em locais molhados e com lama. Geralmente é proibido o uso de calçados com pregos nas competições de orientação. Na Europa e nos Estados Unidos encontramos tênis adequados, fabricados exclusivamente para orientação, geralmente com travas largas para não grudar lama, alguns até com pinos metálicos para segurar melhor em terreno pedregoso. Os pinos metálicos dos calçados específicos para orientação são permitidos em todos os eventos. Mas esses modelos são difíceis de importar e de custo mais alto. No Brasil é mais fácil adquirir tênis para esporte de aventura ou chuteira de futebol society com entressola de EVA, ambos têm boa aderência em terreno acidentado e resistem bem em dias de chuva. Podemos encontrar vários modelos de tênis para esporte de aventura que podem ser usados na orientação, inclusive com bons preços. É melhor escolher os modelos que sejam mais leves, com travas de borracha mais largas e com acolchoamento interno que não retenha muita água. 

Usar um tênis de corrida de rua é mais confortável quando está seco, mas escorrega muito em local inclinado, ou pode ficar pesado quando molhado, e isso está fora de cogitação. Os tênis de corrida são adequados apenas em provas de Sprint em ambientes predominantemente urbanos. Os modelos de calçado com solado mais baixo, como as chuteiras de futebol society, também têm a característica de proporcionar mais estabilidade em terreno irregular e dificultar a ocorrência de entorse de tornozelo.


É aconselhável testar modelos diferentes e verificar quais os mais confortáveis e adequados nas situações comuns que encontramos na orientação. Essa escolha do calçado é personalizada, deve ser a mais adequada a cada participante e às condições de cada competição. Podemos testar modelos diferentes e escolher os melhores para as competições, separando os demais para treinamento.

5 de jun de 2012

Informativo CBO Nº 09/2012


CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ORIENTAÇÃO
Santa Maria - RS, 4 de junho de 2012.



Ø  Hoje é o último dia para inscrição na II Etapa CamBOr 2012–WRE, que se realizará em Goiânia – GO no período de 21 a 24 de junho de 2012.
Ø  Solicitamos conferir nome, número, categoria e SICard;
Ø  Os Boletins e demais informações estão no site da CBO www.cbo.org.br em “Competições”;

b.     Campeonato Sul-Americano de Orientação - 2012
Ø  Hoje é o último dia para a segunda data de inscrição com desconto no SAOC 2012;
Ø  O SAOC 2012 tem um percurso válido pelo WRE e se realizará em Rio Negro – PR, no período de 15 a 18 de novembro de 2012.
Ø  Os boletins e demais informações estão no site da CBO www.cbo.org.br em “Competições”.

c.     Portaria 1_2012
Ø  Está disponível em www.cbo.org.br/site/informativos a Portaria Nº 1_2012 da CBO que institui normas para os locais de escola de do Esporte Orientação.

d.     Termo de Cessão de Uso
Ø  Está disponível em www.cbo.org.br/site/informativos,em Regras - Regras Gerais e Orientação Pedestre, o Anexo “K” das Regras - TERMO DE CESSÃO DE USO DE ÁREA PARA REALIZAÇÃO DE COMPETIÇÃO DE ORIENTAÇÃO
Ø  Recomendamos aos organizadores dos eventos nacionais e internacionais que na ocasião em que efetuarem a candidatura encaminhem esse termo juntamente com o formulário de candidatura com a finalidade de agilizar o processo dos projetos para captação de recursos.

e.     Apoio ao desenvolvimento do Esporte Orientação em Parintins e comunidades ribeirinhas
Ø O Sr. Alcino Luis da Costa Lemos, atleta do Natura CO, propôs que fosse realizado da mesma forma da campanha para o Suriname uma campanha de arrecadação da material de orientação para apoiar os projetos da CBO em Parintins – AM, sendo decidido que a arrecadação deveria ser iniciada após a I Etapa do CamBOr de 2012.
Ø Diante do acima exposto, solicitamos às entidades e atletas a doação de material de orientação tais como prismas, bússolas, picotadores, material de mapeamento, uniformes, porta cartão de descrição, caneleiras etc.

f.    Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica
Ø Visite o estande do CEFET-MG e conheça os projetos sobre o Desporto Orientação;
Ø O Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica está sendo realizado no período dias 28 de maio a 01 de junho de 2012 em Florianópolis – SC;
Ø Horário de funcionamento do estande nos dias 28/05 (13h às 18h) e nos dias 29, 30 e 31/5 (13h e30min às 20h);
Ø Acesse o site do fórum (http://2sitefmept.ifsc.edu.br/). O resumo do trabalho pode ser visualizado, clicando em programação Oficial, na lista da Mostra de Inovação Tecnológica. Nessa lista o resumo está na página 5.

g.     Site da CSO
Ø  O site da Confederação Sul-Americana de Orientação foi alterado para www.orientacionsudamericana.org.br

h.     Super Calendário Brasileiro de Orientação
Ø  Está disponível em www.cbo.org.br – em Competições” o Calendário Brasileiro de Orientação. Solicitamos aos dirigentes a conferência das informações, inclusive o contato e, após o evento, o encaminhamento dos resultados.
Ø  Solicitamos também aos dirigentes e organizadores a filmagem dos eventos e divulgação na internet. A CBO está à disposição para realizar a divulgação. 
Ø  A CBO recomenda que os filmes postados na internet iniciem com a palavra “Orientação – Evento tal....”, sem substantivos como, por exemplo, “corrida”, objetivando facilitar o acesso nos sites de busca.
Ø  Devido à grande divulgação do Esporte Orientação nos sites de relacionamento, atentemos também à Convenção de Leibnitz, evitando filmagem de chegadas com funil mal construído, que possam prejudicar a visibilidade do esporte.
Ø  Ajude a divulgar o nosso esporte: Digite “CBO1999BRA” no Google ou no Youtube, assista a alguns vídeos e compartilhe no seu site de relacionamento.

i.        Quadro de Mapeadores
Ø  A PNDO da CBO possibilitou a capacitação do quadro de mapeadores dessa Confederação e a produção de muitos mapas no Brasil;
Ø  Destacamos a importância do registro dos mapas na CBO para preservar a autoria da obra e a valorização da instituição;
Ø  Os mapas para registro devem ser encaminhados para a CBO em “OCD”;
Ø  Após o parecer do conselho de mapeadores, o mapa será registrado.

j.       III Etapa CamBOr 2012
Ø   III Etapa CamBOr 2012 – Santa Rosa – RS no período de 12 a 14 de outubro de 2012.
Os Boletins e demais informações estão no site da CBO www.cbo.org.br em “Competições”;

k.     CBUO e CBEO 2012
Ø  Divinópolis – MG, no período de 13 a 16 de setembro de 2012;
Ø  Os Boletins e demais informações estão no site da CBO www.cbo.org.br em “Competições”;

l.       Campeonato do Mercosul de Orientação - 2012
Ø  Porto Alegre - RS, no período de 8 a 9 de dezembro de 2012.

m.    Calendário 2013
Ø  5 Dias de Orientação do Brasil – Serra Gaúcha – RS de 28 de janeiro a 3 de fevereiro de 2013;
Ø  I Etapa CamBOr 2013 – Brasília – DF no período de 19 a 21 de abril de 2013;
Ø  II Etapa CamBOr 2013 – Manaus – AM no período de 7 a 9 de junho de 2013;
Ø  Campeonato Brasileiro de Estudantil e Universitário de Orientação – Ipameri - GO de 13 a 15 de setembro de 2013;
Ø  III Etapa CamBOr 2013 – Porto Alegre – RS de 11 a 13 de outubro de 2013.
Ø  Campeonato Sul-Americano de Orientação – Goiânia – GO de 14 a 17 de novembro de 2013.

n.     Estaduais
Data
Evento
E-mail e Inscrição
10/06/2012
II Etapa do Circuito Potiguar de Orientação
Até 09/06/2012
17/06/2012
III Etapa do Campeonato Gaúcho de Orientação
Até 07/06/2012
02/06/2012
II Etapa - I Circuito Metropolitano de Orientação de Porto Alegre
Até 30/05/2012
26/08/2012
IV Etapa do Circuito Goiano de Orientação
Até 20/08/2012
Ø  Para divulgar o seu evento no informativo da CBO nos encaminhe por e-mail os seguintes dados: Data, evento, data limite de inscrição e conta para inscrição.

o.     Serviço de Contabilidade
Ø  O escritório de contabilidade que presta serviço para a CBO pode colocar em dia a documentação dos clubes por um taxa mensal de R$50,00;
Ø  Os interessados devem entrar em contato com o diretor contábil da CBO.

p.     Livros
Ø  O percurso de Orientação – R$ 12,00, incluindo a taxa de postagem;
Ø  Cartela dos símbolos da ISOM – R$ 1,00, mais a taxa de postagem.

q.     Produtos da CBO
Camiseta branca – R$ 20,00;
Camisa pólo azul – R$ 30,00
Chapéu australiano – R$ 20,00
Boné da CBO – R$ 10,00
Cuia para chimarrão – R$ 22,00
Confira os produtos em www.cbo.org.br

r.      FAMO
Ø  A conta para depósito da contribuição voluntária para o Fundo de Apoio ao Menor Orientista é: Poupança 9559-1, AG 0126-0 do BB, Var 096;
Ø   O saldo da conta do FAMO em 30/05/2012 é R$ 219,10;
Ø   Projetos atendidos: 6
Ø   Número de atletas apoiados: 52
Ø   Valor utilizado: R$4.328,00.
FAMO: O fundo de apoio da Orientação

s.     Críticas e sugestões
Ø  As críticas e sugestões sobre a CBO e seu funcionamento devem ser encaminhadas pelo contato (falecom@cbo.org.br), no site www.cbo.org.br;
Ø  Todas as mensagens encaminhadas para este endereço serão respondidas.

Cursos
Ø   Informamos a agenda de cursos da CBO:
Curso
Data
Local
Instrutor
Mapeador NI
12 a 15/07/2012
Natal - RN
José William
Capacitação 1ª CRE
1e2/08/2012
Porto Alegre - RS
José Otavio
Capacitação 3ª CRE
7e8/08/2012
Estrela - RS
José Otavio
Capacitação 39ª CRE
14/08/2012
Carazinho - RS
José Otavio
Capacitação 25ª CRE
15/08/2012
Soledade - RS
José Otavio
Capacitação 36ª CRE
21 a 22/08/2012
Ijui – RS
José Otavio
Capacitação 9ª CRE
6/09/2012
Cruz Alta - RS
José Otavio

t.       Agenda do Presidente da CBO
01/06/2012
Audiência com Secretário de Estado do Planejamento do RS – WMOC 2014
05/06/2012
Reunião no Parque Beto Carrero World (PBCW)


Um abraço,
 
JOSÉ OTAVIO
CREF2/RS 3700
Presidente da CB®
cbo_bra@uol.com.br 
www.cbo.org.br  
www.orientacionsudamericana.org.br  
(55) 3212 3348 ou (55) 9971 1247
MSN: otaviodornelles@hotmail.com
Twitter: http://twitter.com/JoseOtavio1
Orientação: um esporte para estudantes
FAMO: O fundo de apoio da OrientaçãoO esporte não é despesa e sim um investimento onde o retorno é certo