30 de set de 2009

Parabéns a nossos atletas

No 42º Campeonato Mundial Militar de Orientação, em Võru - Estônia, a equipe brasileira fechou sua participação novamente na 14ª colocação, com o ótimo desempenho de nossos atletas. Este é o melhor resultado que podemos conseguir com o tempo disponível que nossos atletas militares têm para dedicar ao treinamento. Nossa equipe posiciona-se logo atrás das equipes que têm seus atletas dedicados em tempo integral para o esporte, lembrando que nas melhores equipes são aceitos atletas que são militares reservistas, atletas de carreira, não militares de carreira. Os melhores resultados de equipes brasileiras ocorrem nos esportes que têm apoio para treinamento em tempo integral ao longo de vários anos, como acontece com o Pentatlo Militar. Para os Jogos Mundiais Militares de 2001, que serão realizados no Rio de Janeiro, há uma proposta dos dirigentes da orientação em separar uma equipe para treinamento integral a partir do início de 2010, mas ainda não foi confirmado o apoio para este projeto, que poderia resultar numa melhora significativa no desempenho de nossos atletas, inclusive com probabilidade de conseguir alguma medalha. Sem apoio de tempo integral para treinamento, pelo menos a partir da próxima temporada, a chance de ganhar medalha é muito remota, praticamente impossível. Os melhores atletas do mundo competem no Campeonato Mundial Militar de Orientação, portanto é impossível chegar ao nível de condicionamento físico e técnico próximo ao deles sem apoio semelhante ao que eles recebem. Todos os nossos atletas de destaque na categoria Elite têm um histórico de empenho e dedicação impressionante. Geralmente abrem mão de oportunidades profissionais importantes para dedicarem-se dentro do possível para o esporte. Superam muitas dificuldades pessoais para manter um bom condicionamento físico e chegar entre os primeiros, superando muitas vezes a condição de pouco incentivo ao esporte dentro da Força, cumprindo suas obrigações comuns e treinando no tempo de folga. Mesmo os que conseguem um pouco mais de apoio ainda são limitados por não trabalhar exclusivamente para alcançar elevado desempenho no esporte, com uma equipe de apoio com esta finalidade. Apesar disso, o sentimento de orgulho em poder representar o Brasil numa competição internacional, mesmo com nossas limitações, é que nos motiva a continuar praticando o esporte com dedicação. Para mim, poder correr lado a lado com as estrelas do nosso esporte é um privilégio que não tem preço. Sou muito grato pelas várias oportunidades que tive de representar o Brasil como atleta. Foram mais de 20 anos fazendo treinamento e competindo com este objetivo. Sinto-me honrado por ter recebido a Medalha do Mérito Desportivo Militar, como representante da orientação. Por isso dou meus parabéns àqueles atletas que continuam dedicando-se à orientação e representando muito bem nosso país.

Veja detalhes do Campeonato em http://www.mil.ee/orienteering/
E mais opiniões em http://cocsnaweb.blogspot.com/2009/09/cleber-baratto-vidal.html




21 de set de 2009

FAIR PLAY

Duas semanas atrás vi no Globo Esporte uma polêmica sobre fair play na Inglaterra. No dia 09/09, a Inglaterra goleou a Croácia por 5 a 1 e assegurou presença na Copa-2010. O gol da Croácia foi do atacante brasileiro naturalizado croata Eduardo da Silva, que era vaiado quando tocava na bola. Recentemente, ele cavou um pênalti em partida de sua equipe, o Arsenal. Foi punido pela atitude e muito criticado por jogadores ingleses. Quanto estive na Croácia para o Campeonato Mundial Militar de Orientação tive a oportunidade de assistir a vitória da Croácia sobre a Estônia, com gol de “Dudu”, como a torcida o chamava. O melhor momento numa partida entre dois times estrangeiros é ver o gol de um brasileiro. Mas não é nada bom ver o mesmo jogador com atitudes típicas de certos jogadores latinos.

Na orientação o fair play também é muito valorizado. Um exemplo marcante ocorreu prova de revezamento do Campeonato Mundial de Orientação de 2009 na Hungria. Já na última perna, Thierry Gueorgiou da França, Anders Nordberg da Noruega e Martin Johansson da Suécia estavam correndo juntos, disputando a liderança da prova, quando o sueco teve um ferimento grave: cravou um pedaço de madeira de12cm na sua perna. Seus concorrentes pararam para ajudá-lo, Thierry ficou com Martin pressionando sua camisa sobre o ferimento para estancar o sangramento, enquanto Norberg correu para a área de chegada para buscar ajuda. Michal Smola, da República Tcheca, foi o próximo atleta a passar pelo local e também parou para ajudá-lo. Martin Johansson foi levado para o hospital e deve recupera-se logo. Depois do incidente, os três esportistas completaram o percurso e chegaram nas 25ª a 27ª posições. O Presidente da IOF, Åke Jacobson, expressou a gratidão aos três esportistas antes da cerimônia de premiação:
“O que vocês fizeram hoje é um grande exemplo de extrema esportividade e fair play. Vocês são uma inspiração para todos nós!”. Thierry, que ganhou o ouro no percurso médio e prata no percurso longo daquele campeonato, não titubeou em parar para ajudar. Estes são os valores do verdadeiro campeão.


19 de set de 2009

Entrando na Web

Saudações! Vou compartilhar algumas informações com os colegas orientista e outros amigos. Estou escrevendo um livro para jovens orientistas e espero que consiga publicá-lo.
Vou disponibilizar mais informações logo. Para ilustrar minha página inicial, segue uma imagem de uma área conhecidas pelos orientistas brasileiros e estrangeiros, uma das mais bonitas em Faxinal do Céu, Pinhão -PR.