30 de jul de 2010

Último dia do O-Ringen

O O-Ringen acabou hoje com uma última etapa na floresta da Universidade de Örebro. O primeiro a chegar é o vencedor: a corrida foi do tipo perseguição. A prova foi adequada tanto para David Andersson quanto Simone Niggli-Luder, que mantiveram a liderança até o final.


Difícil considerar qualquer lacuna de liderança como já estabelecida antes de entrar no terreno verde e molhado de Markaskogen. As pernas subitamente desaparecem sob a água e alguns segundos depois aterram em solo rochoso, a visibilidade variando de extremamente limitados a muito boa, a vegetação que oferece o apoio para os pés em um primeiro momento pode impedir os movimentos logo depois. "Era um outro tipo de orientação em relação aos dias anteriores", explicou o sueco David Andersson. Começando 2'20" à frente de Oleksandr Kratov, Andersson pôde manter a sua liderança estável e aumentar por 10 segundos. "Hoje a corrida foi muito boa. Corri sem erros e sabia de minha posição o tempo todo", comentou. Sua entrada no longo funil para o sprint final era sinônimo de um momento de intensa emoção. Eram lágrimas ou suor de olhos Andersson? "O-Ringen é a maior competição na Suécia, e aquela que eu sempre quis ganhar a nível nacional". Com a sua subida constante no pódio (3, 3, 8, 1 e 2 em cada etapa), O-Ringen 2010 encontrou um vencedor lógico em David Andersson, assim como o segundo lugar do ranking global parecia para atender bem Oleksand Kratov.


Ainda, quem esperia o jovem Johan Runesson, ainda capaz de correr na H20 Elite, para tomar o terceirolugar do O-Ringen Elitserien? O sueco de 19 anos comentou a sua tática de corrida - Mattias Millinger e Erik Rost estavam partindo apenas 10 e 20 segundo atrás dele, respectivamente. "Eu realmente me preparei mentalmente para ser apanhado por eles, era um fato claro para mim. É por isso que não fiquei surpreso ou nervoso quando isso aconteceu", explicou Runesson. "Eu sabia que seria muito difícil alcançar os dois corredores na frente, então eu só queria ficar na terceira posição. Corremos o percurso inteiro juntos e eu estava correndo atrás. Eu queria ficar longe deles no quarto final da etapa. Eu tinha planejado ir para o norte, mas todos nós fomos para o sul. O ponto não estava lá e eu reconheci de primeira o que devia corrigir: ir para o norte teria sido a coisa certa a fazer. De certa forma, pode-se dizer que foi realmente bom ter cometido esse erro com os outros para se livrar deles depois, embora esta tática não tenha sido planejada", Runesson riu. Mais sério, acrescenta sobre toda a semana: "Eu nunca fui tão longe antes. Isto significa muito durante o inverno, porque agora sei que eu treino bem".


Um que inicialmente era esperado para lutar pela vitória final, Daniel Hubmann, não mostrou seu lado mais forte. o suíço admitiu ter problemas para motivar a si mesmo hoje. "Eu cometi alguns erros no início, e depois a força foi embora. Como eu mesmo não tinha qualquer papel a desempenhar no pódio, resolvi facilitar para os outros. Vou voltar agora para a Suíça para descansar durante uma semana, antes de ir ao Campeonato do Mundial". Fabian Hertner ainda ganhou posição, terminando no 5º lugar.

Ao contrário de seu conterrâneo, Simone Niggli-Luder não estava receosa de mostrar ao mundo da orientação o quão boa sua forma parece estar para Trondheim. "É fantástico, uma grande preparação para o Campeonato do Mundo", disse Niggli sorridente, com a flâmula de Ulricehamns OK ainda na mão. Na verdade, a suíça já se colocou quatro vezes no ranking geral das edições anteriores, mas ainda descreve a sua vitória no O-Ringen ser "muito especial". "Agora sei que minha forma está muito boa para Trondheim", acrescenta ela, e pareceu surpresa com a pergunta de um jornalista, esperando a reação dela ao dizer que ela seria agora a grande favorita do WOC: "Bem, este tem sido o mesmo caso de todos os últimos anos!".


Niggli, contudo, não teve o melhor tempo do percurso, que terminou na sexta posição. Jurenikova Eva (2) e Signe Söes (3) venceram com cerca de 50 segundos - nada para colocar os incríveis 10'30" de Niggli em perigo. "Não foi uma corrida perfeita hoje", Eva Jurenikova comentou. "Corri cuidadosamente, mas cometi alguns erros. Senti-me lenta por causa do terreno". Para a Checa o O-Ringen também foi um impulso de auto-confiança: "Agora estou na minha melhor forma. Espero poder melhorar um pouco mais no WOC. Dane Signe Söes terminou na mesma terceira posição que ela tinha no início, mas teve que defini-la no final contra uma perigosa Bodil Holmström. A finlandesa ganhou o percurso com mais de dois minutos de vantagem para todas as mulheres da Elitserien, sobre Niggli inclusive.

Nenhum comentário:

Postar um comentário