21 de out de 2014

Manual do Jovem Orientista - Dica nr 38

Dica no 38: Orientação na Escola.

A vertente pedagógica da orientação corresponde ao conjunto de ações que visam colocar o desporto Orientação a serviço do aluno. Nesse caso, procura-se a melhor qualidade do ensino e a motivação do aluno, não importando a performance; mas, sim, a participação, visando a formação do indivíduo para o exercício da cidadania e para a prática do lazer. 

Diante desta realidade pedagógica, encontramos, de um lado, a Confederação Brasileira de Orientação, que possui as seguintes finalidades, conforme seu estatuto:
- Incentivar a preservação do meio ambiente, criando a consciência ecológica nos atletas que praticam ou venham a praticar a Orientação, inclusive por ciclos de palestras;
- Oferecer as condições para que o desporto Orientação seja ministrado nas escolas como atividade formativa e interdisciplinar.

E, de outro lado, figura a Escola, com o desafio de oferecer uma educação integral ao sujeito, de acordo com o que preceituam os Parâmetros Curriculares Nacionais   PCNs.

Nesse prisma, vislumbra-se a possibilidade de desenvolver a educação ambiental nas escolas, fazendo com que o indivíduo e a coletividade construam valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade. 

Certamente, o desenvolvimento de um trabalho conjunto entre as Escolas a Confederação Brasileira de Orientação, com a implantação do desporto no currículo escolar, atenderia aos objetivos da Lei de Educação Ambiental, especialmente o que prevê o seu art. 2º, que é do seguinte teor: “a educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não-formal”. 

Desta forma, o projeto ESCOLA NATUREZA apresenta a Orientação como um processo pedagógico capaz de desenvolver nas pessoas a consciência ecológica, ao utilizar, de forma lúdica, a natureza como campo de jogo. 

O valor pedagógico do desporto Orientação está na sua simples prática, onde o aluno, ao executar o movimento, está usando a mente na resolução de um problema relacionado a uma das diferentes áreas do conhecimento. Desta forma, a inserção da Orientação, como ferramenta interdisciplinar, permite uma ampla integração da Educação Física com as demais disciplinas.

Uma das características inigualáveis desse desporto é possibilidade dos portadores de necessidades especiais competirem, em iguais condições com as demais pessoas, não sendo necessário dividi-los por grau de limitações e, ainda, havendo um alto nível de competitividade.  Nestas circunstâncias, a participação das crianças portadoras de necessidades especiais pode facilitar a integração e a inserção social, o que justifica, novamente, a inclusão do desporto no currículo escolar.  

Neste contexto os orientistas habilitados pela CBO têm o papel de confeccionar os mapas didáticos (escolas, universidades e parques), montar os trabalhos de iniciação desportiva, formar e aperfeiçoar os educadores na prática do desporto com realização de cursos, palestras, etc. A partir daí os educadores dão prosseguimento ao ensino da Orientação, conforme currículo aprovado junto à Secretaria de Educação de seu município. 

Nos cursos de Educação Física pode ser disponibilizada a matéria opcional do Desporto Orientação, conforme já implementado nas Universidades Federais do Rio de Janeiro-RJ e de Santa Maria-RS, para habilitar educadores e organizadores de eventos de orientação.
Em suma, a Orientação, como esporte educacional, tem a capacidade de motivar a prática de Educação Ambiental na sociedade e melhorar a qualidade de ensino, podendo ser praticada por qualquer pessoa, independente de sua condição social, física ou faixa etária.


Nenhum comentário:

Postar um comentário