12 de ago de 2010

Percurso Longo do WOC 2010


Um dia perfeito para a final de longa distância, apenas cerca de 20°C e um vento leve para esconder o calor do sol. A arena no centro de esqui GranÂsen estava cheia de espectadores e absolutamente provado o lema do WOC 2010 "Um Campeonato espetacular, urbano e visível".

Simone Niggli

À primeira vista, o mapa parecia menos técnicamente exigente do que o mapa que foi utilizado para a qualificação de longa distância no início desta semana. Mas o fato de que muitos dos participantes fizeram vários erros - que variaram de muito pequenos a muito grandes - nos faz perceber que o terreno que não foi fácil.

As mulheres enfrentam um percurso longo de 9,9 km na floresta que variava de moderadamente íngreme a montanhosa, logo a Sudoeste de Trondheim. Foi uma competição acirrada, com muita disputa por medalha durante toda corrida. A perna mais longa (1,5km do ponto 4 ao 5) veio pouco antes do terceiro ponto intermediário (aos 4km) e ofereceu, pelo menos, três escolhas de rota, mais ou menos iguais à primeira vista. Neste ponto intermediário 7 mulheres estavam dentro de 1 minuto, com Marianne Andersen liderando com meio minuto sobre Helena Jansson e Minna Kauppi. Simone Niggli estava mais 7 segundos abaixo.

Mas mesmo que as top 10 já começassem a surgir neste momento, nada era óbvio sobre as posições de medalha entre as top 6, havia ainda 5km a seguir com uma borboleta e outra perna longa. Esta segunda perna maior (pontos 16-17) voltou a ser decisiva mais uma vez com várias opções de rota. Uma escolha rota foi talvez não tão óbvia e mais longa que as outras, mas com quase nenhuma subida e apenas correndo no asfalto (a leste). A maioria das corredoras principais tomou a linha reta pelo morro, mas Niggli e König-Salmi deram a volta, depois de alguma hesitação.


Após a chegada Niggli admitiu que esta era definitivamente uma "escolha de rota suíça", que ela não esperava ver em Trondheim. Devido a esta escolha, ela estabeleceu uma liderança clara já no ponto dos espectadores com cerca de um minuto à frente, que só aumentou com os 1,5 km restantes.

Logo após o último ponto, na passagem rápida sobre a ponte na arena, Niggli já comemorou seu impressionante 17° título de campeã Mundial. Com as mãos acenando no ar e um sorriso de orelha a orelha, ela continuou seu caminho até a linha de chegada. A multidão de espectadores participou da festa.


"Foi uma corrida perfeita, Simone?" Perguntou o locutor depois de sua chegada. "Bem, eu ganhei, então foi perfeita!" Niggli sorriu. Ela teve no entanto, alguns pequenos erros na borboleta. "Sempre foi meu objetivo de ganhar o ouro em Trondheim. No domingo passado eu ganhei o Sprint, mas eu queria mostrar que poderia fazê-lo na floresta também."

A norueguesa Marianne Andersen levou sua 7a medalha de prata em WOC. "Foi mentalmente muito desafiador hoje" Andersen comentou depois. Emma Claesson levou a medalha de bronze, apenas 5 segundos atrás de Andersen, sua primeira medalha individual em WOC, após um bronze e uma de prata em revezamentos. Anteriormente ela foi quarta na longa distância do WOC na Suíça em 2003. Apenas 5 segundos a separava da prata. "Minha idéia foi começar com calma e pegar todos os pontos com facilidade..." Claesson disse depois de sua chegada. "Mas eu cometi um grande erro no primeiro ponto, e quando passei no córrego eu não tinha certeza se já tinha marcado o ponto, e tive que voltar atrás. " ela continua.

Helena Jansson, uma das contendoras de medalha, terminou em 4º lugar, cerca de meio minuto atrás Claesson. "Foi um pouco confuso no início, e eu tentei me convencer a ficar calma. Depois de 1/3 do percurso eu me cansei e cometi um erro na borboleta. Foi um percurso muito exigente e cometi um erro no final também."


1. Simone Niggli SUI 01:12:49
2. Marianne Andersen NOR 01:15:02
3. Emma SWE Claesson 01:15:07

Enquanto Simone Niggli já comemorava sua 17a medalha de ouro em Mundial, os homens lutavam no "trønder-terreno". Eles enfrentaram três pernas longas antes do desafio da borboleta, pouco antes da passagem pela Arena, no centro de esqui GranÂsen. O traçado do percurso foi interessante e as duas primeiras pernas longas, mais ou menos iguais em comprimento, ofereciam pelo menos três opções de rota.


Após a terceira perna longa tivemos uma visão antecipada dos contendores de medalhas. Olav Lundanes que é acostumado a este tipo de terreno, uma vez que "o terreno em Trondheim é semelhante ao de minha casa", assume a liderança pouco antes da borboleta. Anders Norberg, François Gonon, Marcus Millegård e Thierry Gueorgiou estavam apenas um pouco atrás.


Lundanes passou a arena em ritmo forte e se dirigiu para a floresta novamente com uma vantagem confortável. A corrida no entanto ainda não havia terminado. Anders Norberg estava lutando pela medalha, atrás Lundanes. Millegård, Gueorgiou e Gonon tinham chances de medalha de bronze.


"Este é o campeão mundial de longa distância!" gritou o locutor. Lundanes pegou uma bandeira norueguesa na travessia da ponte e entrou na área de chegada. Com aplausos da multidão e bandeiras coloridas Lundanes cruzou a linha de chegada. "É uma grande honra ter a oportunidade de correr um WOC na terra natal. É normalmente uma chance que você, eventualmente, só tem uma vez na vida, e por isso tem que utilizá-la." Lundanes havia dito na semana passada em uma breve entrevista para o Ultimate Orienteering. Ele teve essa chance e utilizou!


Anders Nordberg, levou a prata com cerca de 20 segundos atrás de seu jovem conterrâneo. Thierry Gueorgiou teve que se contentar com a medalha de bronze. "Não era o que eu esperava ..." o francês explicou depois da chegada. "Eu realmente me esforcei para entender o mapa em alguns lugares." "Mas é dessa forma que é..." Gueorgiou continua, "...nós ainda temos duas chances neste fim de semana".


1. Lundanes Olav NOR 01:32:41
2. Anders Nordberg NOR 01:33:21
3. Thierry FRA Gueorgiou 01:36:21

Nenhum comentário:

Postar um comentário